Mini Wedding: Thaíla e Renan

Descobri não só um companheiro de corrida, mas o meu melhor amigo para tudo!

Olá amores,

No post de hoje temos um casamento simplesmente maravilhoso para inspirar vocês!

Sabe aqueles casamentos que nos encantam só de ver os registros? Assim foi o grande dia da Thaíla e do Renan, um Mini Wedding lindo e bem intimista.

E quando eu disse bem intimista, eu quis dizer “BEEEM” intimista mesmo! Eles realizaram uma cerimônia para 10 convidados. Nada melhor que compartilhar um momento tão importante como esse com pessoas que realmente são especiais e essenciais na vida do casal, não é mesmo?

Apesar da cerimônia ser para um número reduzido de convidados, o casal pensou em cada detalhe para torná-la intimista, aconchegante e divertida. Da “mesona”, como disse Thaíla, às máquinas fotográfica descartável, tudo pensado nos mínimos detalhes!

Confira abaixo um pouco mais sobre o Mini Wedding da Thaíla e do Renan:

 

Como tudo começou…

“Eu e o Renan nos conhecemos em 2012, durante uns treinos de corrida no Parque Ibirapuera. Somos corredores, apaixonados por esporte. Ele já fez triathlon, ciclismo, corrida, eu já fiz duathlon, corrida… A gente nunca tá parado!

Uns amigos sempre diziam que eu tinha de correr com ele. Porque ele ia fazer a mesma meia maratona que eu, que ia ser uma companhia bacana, que ia me puxar nos treinos para ser mais forte, mas nunca dei bola.

Nunca corri com ele nesse tempo. O via nos treinos, mas nem trocava ideia. Na época, ele tinha me adicionado numa rede social, puxava um papo ali, um papo acolá, mas eu não dava bola. Tinha acabado de sair de um relacionamento de fim difícil, estava naquela fase descrente do amor, sabe?

Um belo dia, com uma dúvida jurídica, perguntei se tinha algum advogado na minha timeline, e apareceu ele. Todo inteligente, resolvendo minha dúvida cheio de domínio e, ao mesmo tempo, um carinho, um cuidado. Resolvi abrir a porta da minha vida para ele, mas eu ju-ra-va que era só como amigo.

Era aquele companheiro que queria fazer tudo comigo – até programa de índio! – Sempre com sorriso no rosto e companhia sincera.

Não demorou para ficarmos amigos mesmo – só por minha parte, tá? Pela dele, ele estava determinado a nos tornamos mais que isso. Mas eu não dei o braço a torcer por uns 3 meses rs.

Pensava: “Não, ele vai ser só mais um desses caras malas que tem no mundo. Não quero sofrer mais”. Até que, num dia, cedi, e foi a melhor coisa que aconteceu em minha vida!

Descobri não só um companheiro de corrida (sabe a meia maratona que comentei lá em cima? Ele estava me esperando na linha de chegada <3, tínhamos acabado de ficar), mas o meu melhor amigo para tudo! Para os momentos bons como esses cheios de endorfina e alegria, mas também para os ruins (perdi um irmão há um tempo)… O Renan tá sempre junto, e cativando todos ao nosso redor!”

O noivado…

“Com poucos meses de namoro, ele já estava morando comigo!

Eu morava sozinha perto do Parque Ibirapuera. Como ele morava mais longe, estava sempre pelo parque e trabalhava ali perto, foi ficando, foi ficando…

Com uns 6 meses de namoro, arrumamos um “filho”, de quatro patas <3

E o relacionamento foi ficando cada vez mais sério e maduro. Moramos mais um tempo juntos e veio o noivado! Noivamos em maio de 2016, e queríamos casar no dia do nosso aniversário de namoro (9 de agosto), mas acabamos casando em 02 de setembro de 2017.”

Os preparativos…

“A gente já sabia que queria fazer a lua de mel numa viagem muito legal pela Itália. Como sabíamos que agosto era o mês de férias europeu e tinha um feriado importante que para tudo no País, mudamos para setembro visando uma lua de mel mais tranquila. E foi!

Como não gostamos muito de agitação, de lugares abarrotados de gente & somos MUITO família, sempre soubemos que seria um Mini Wedding. Mas, como disse uma das fornecedoras, o nosso foi um “mini-mini”: 12 pessoas, incluindo a gente. Ou seja, 10 convidados, sendo: 1 bebê, 1 criança e 8 adultos.

Ah, e claro, o cachorro! Tinha de ser um lugar pet-friendly! Nosso cachorro é nosso filho, tinha de levar as alianças – e levou!

Até pensamos em começar a chamar alguns amigos, mas essa diplomacia de chamar uns e outros não iam nos trazer um desconforto que a gente não queria carregar com a gente. Então, contamos para todos eles o que ia rolar, a nossa proposta, deixamos os amigos todos envolvidos com tudo, e ficou tudo bem.

Sempre gostamos da ideia de fazer um almoço, de dia, aquela sala com uma mesa cheia, como se a gente tivesse em casa – e a ideia era se sentir assim.

Sabendo a proposta e a data, começamos a ir atrás de tudo, bem em cima da hora.

Começamos a resolver tudo em meados de fevereiro, março de 2017. A gente pensava: “Ah, é simples, Mini Wedding, coisa pequena, vai ser fácil”.

Pensamos em fazer em um restaurante que gostávamos muito, mas mudou o chef e não gostamos dos menus novos. Fomos em outro que gostamos, mas o espaço não era assim o que eu sonhava, pensamos em outros lugares, mas o fit não batia.

Até que no segundo tempo da prorrogação um amigo em comum comentou que ia abrir um novo hotel lindo, que tinham uns espaços que acoplavam exatamente o que a gente queria. Tinha dia aparecendo (não era restaurante todo fechado), tinha espaço para mesona, tinha um menu super agradável. Eu e o Renan amamos a gastronomia disponível em SP e não queríamos um almoço qualquer, tinha de ser algo especial. Era o Palácio Tangará.

Ele abriu em meados de maio (imagina se não começamos a ver tudo isso tarde hein? rs). Lembro que a inauguração foi numa quarta-feira e no sábado estávamos lá, conferindo tudo e, que sorte, fechamos!

Nunca tinha chorado enquanto pensava no lugar, na decoração!

Entrei lá numa das propostas e caí no choro de emoção. Todo mundo me dizia que noiva sente qual o lugar, qual o vestido… E não é que é verdade?

Corremos atrás de tudo, enquanto rolava aquela correria nos trabalhos. Fui atrás de uma amiga que sabia que lidava com casamentos, a Ana Thereza, do Lápis de Noiva, para me dar uma força porque sabia que eu não ia conseguir nada sozinha trabalhando 13h/dia + deslocamentos. Eu lembro que meu briefing pra Ana foi: “Ana, é só um almoço”. A única coisa que eu fazia questão desde início era um fotógrafo. ”

O grande dia…

“Como boa amiga, a Ana Thereza sabia que não ia deixar ser um almoço qualquer!

Me indicou a Violeta Decorações, da Bia & Lucas, aliás, o que é a Bia? Na primeira reunião, ela veio cheia de ideias e eu cortava tudo porque não queria gastar muito dinheiro, nem queria muitas firulas. Resultado: tudo que ela sugeriu nós fizemos, cabendo no bolso, e nos divertindo MUITO.

“- Votos? Não, que votos! Já moramos junto, não precisa – Precisa sim, Thaíla!”

“- Um altarzinho assim, assado – Que altar, menina! É só civil!”

“Um sofazinho para acolher a família no meio da sala? – Para! Estamos sem dinheiro, tudo é caro”

O resultado foi esse dia mágico e especial, num oásis no meio de São Paulo!

Tinha jardim e concreto do jeito que queria, um lugar que era fácil para meus pais – que são de Recife -, chegar e curtir. Cheio das invenções maravilhosas da Bia & da Ana, como o first look – sou eternamente grata <3 -, tudo muito simples e pequeno, mas que tinha o dobro disso tudo em amor e emoção.”

Mais detalhes genéricos: 
  • Bolo

Tinha de ter bolo de rolo! Não pensamos em outro estilo de bolo.

Sou de Recife, o Renan aqui de São Paulo, mas pensa em um doce que ele viciou depois que começamos a ficar juntos.  Lá em casa nunca faltou, depois do Renan, então… Todo mundo que vem de Recife a gente faz trazer o “original”, da Casa dos Frios.

Ficamos pensando que trazer ia ser um perrengue, fomos atrás de fornecedores por aqui, mas não achávamos igual ao de lá. Resultado? Mandamos pedir o da Casa dos Frios! Chegou em Congonhas, vindo de Recife através do cargo, no dia antes, impecável!!!

  • Distrações

Apesar de ter sido um casamento pequeno, a gente se preocupava muito em manter os convidados distraídos!

Por isso, deixamos um bloquinho para escrevem coisas para gente. E também demos uma máquina fotográfica descartável pra que eles registrassem sob a lente deles. Foi muito legal e no final das contas a máquina deu super um gosto de quero mais. Aquele momento retrô e gostoso de saber no que vai dar e ao mesmo tempo de descoberta para o meu sobrinho de 6 anos, que ficou perguntando como fazia para ver a foto rs

  • Gift out

Demos doces da Petit Fabrique e sabonetes da Lush, que amamos! Eu e o Renan somos super fãs da marca e adoramos aquela sensação do banho perfumado. Mandamos fazer um bem-casado de sabonetes, sendo metade pro preferido meu, outra metade o prefeito dele, Sabíamos que o dia ia ser cansativo, então pensamos em algo para relaxar depois: doces e um bom banho!

Fornecedores:

Assessoria: Ana Thereza Arruda (Lápis de Noiva) & Erika e Adriana Bicudo (Biscuit Eventos) | Local: Palácio Tangará | A&B: Tangará by Jean-Georges | Decoração: Violeta Decorações | Traje do Noivo: Giorgio Armani | Sapato do Noivo: Vinicius Dapper | Vestido da Noiva: Nadia Saab Ateliê | Sapato da Noiva: Animale | Beleza da Noiva: Teo Miranda  | Acessórios da Noiva: Tula Casqueteria  | Bolo: Casa Dos Frios, Recife/PE | Doces: Le Petit Fabrique | Fotos: A Essência do Bem | Gift-Out: Lush Jardins

Gestora financeira, especialista em controladoria financeira, apaixonada por casamentos e tudo que envolve a vida a dois!